28 de mai de 2011

Excesso de informação

0 comentários
Excesso de informação nos torna idiotas.Estamos na era da velocidade máxima.O planeta chora, e a dor e intensa, fruto das nossas frustrações, da velocidade desenfreada da tecnologia, da informação por segundos.
A quantidade de textos, fotos, vídeos, músicas e links para outras páginas combinada com incessantes interrupções na forma de mensagens de texto, e-mails, atualizações do Facebook e feeds de RSS fez com que nossas mentes se acostumassem a catalogar, arquivar e pesquisar informações. Desta forma, desenvolvemos habilidades para tomar decisões rapidamente, especialmente visuais. Por outro lado, cada vez lemos menos livros, ensaios e textos longos - que nos ajudariam a ter foco, concentração, introspecção e contemplação.
E saindo por ai, o que vemos na sociedade, baladas recheadas de mulheres lindas, siliconadas, corpos esculpidos de cirurgias plásticas,  independentes, saem sozinhas e  chegam sozinhas. Os homens, bem sucedidos, estudaram alcançaram o sucesso profissional sozinhos, alguns até buscam uma companheira para compartilhar coisas boas.Mas a oferta e tão grande, a facilidade e tanta, que não fazem esforços nenhum para obter o que querem, ficam sem saber o que quer, logo se contentam com o que tem por ai.E o que tem por ai, em qualquer classificado, ou na internet é o sistema fast-food, ligue ou faça um cadastro que eu entrego no domicilio solicitado.Já ouvi falar de mulheres que contratam personal dance, para dançar nos bailes com elas.As redes sociais, unindo milhares, ou melhor, milhões de solitários, em meio a uma multidão de rostos cada vez mais estranhos, plásticos, quase etéreos e inacessíveis.Não acredito que os homens querem mulheres barbies compradas, que ficam com o cabelo 24 horas montado, sem que um vento movimente.Acredito que eles queiram mulheres inteligentes, para ter ao lado e ser mãe de seus filhos, que entendam e que compreendam, que eles adoram admirar as gostosas, e imaginar mil coisas.Para ter bons e maus momentos, e que tenham momentos que eu vou pensar em cair fora, mas esperando que ele peça : fique comigo, e eu ficarei, para não me arrepender pelo resto da vida de eu ter abandonado.
E cada vez mais estamos mais carentes, carentes de afeto, de ouvir um amigo dando conselhos, de carinho, carentes de andar de mão-dadas.Nos tornamos carentes das coisas simples da vida, que nós fazem esquecer todos os nossos problemas.Nesse ponto que vejo que os garotos de bike tem uma sabedoria divina, eles sabem se divertir mais, do que os coroas de ferrari, que sorri e olham de canto de olho, para ver se conseguem comprar uma barbie.Da para ser um homem de negócios e tomar iogurte com os dedos, e rir de si mesmo.Estamos com fome de amor.E quando colocamos nossos valores na frente, nos tornamos bregas, entramos num rótulo de familias conservadoras, preconceituosas.Posso até parecer uma solteirona infeliz, mas e necessário ter coragem e encarar a realidade.Namorar está se tornando  rídiculo.Mas seja rídiculo, e seja feliz, mas  não seja frustado."Pague mico", saia gritando e falando o que sente, demonstre amor... Você vai descobrir mais cedo ou mais tarde que o tempo pra ser feliz é curto, e cada instante que vai embora não volta mais... Perceba aquela pessoa que passou hoje por você na rua, talvez nunca mais volte a vê-la, ou talvez a pessoa que nada tem haver com o que imaginou mas que pode ser a mulher da sua vida...Se olharmos as fotos de antigamente, não são as mesmas pessoas, lindas naturais, sãos mulheres lindas se mutilando e plastificando em nome da beleza, que dura pouco. O envelhecimento esta sendo adiado cada vez mais.Assim vai  aumentam os números de sindromes como o panico, dda, e etc...As mulheres começam a encontrar afeto nas mulheres, e os homens nos homens.Tornamo-nos máquinas, e agora estamos desesperados por não saber como voltar a "sentir", só isso, algo tão simples que a cada dia fica tão distante de nós... 
E isso se torna uma roda, em alta velocidade, que antes na era industrial era pela invenção do carro, que tornava o homem mais importante, definia sua classe social, agora é a velocidade da informação que não pode parar, mostra uma facilidade de obter as coisas, que na verdade, ilusória, pois ninguém conquista uma carreira bem sucedida tão rápido, a menos que tenha herdado de berço, como construir relacionamentos assim num piscar.Relacionamentos se constroem, quando decidimos o que queremos para nossas vidas.
Existe uma perda de valores familiares nessa sociedade, aonde você abdica de seus valores, para obter aceitação, a ganância material passando por cima de qualquer valor moral.
Logo, o efeito dessa velocidade máxima de informação, é refletido na terra, pela enorme poluição produzida ao longo desses anos de avanço tecnológico.
O planeta chora, e suas lágrimas é o refelxo de nossas frustações, nossas raivas, dores, atitudes inconseqüentes.
Ligue o piloto automático e deixe-se conduzir, ou conduza você sua vida, tendo escolhas conscientes, com princípios morais e caráter.

22 de mai de 2011

Dona quaquazeira e o ciúmes

0 comentários
Após deliciarem, degustarem, devorarem, Fernando Pessoa por uma linda tarde de domingo.
Quá Quá Quá disse a Dona QuáQuázeira 
Chamando a atenção da sua amiga, e ela disse : Fernando Pessoa, estou emocional-mente emocionada. Plenamente tocada. Magnífico. Explêndido. Um ser além do que qualquer um de nós alcançaria, com uma visão totalmente ampla da vida e dos sentimentos da vida. Com uma sensibilidade sem tamanho.
E a Quáquázeira com muita fome de seu amor, amor que não sabe atender telefone.
Enquanto a amiga so quer, lhe falar quem é aquele  rapaz, de um momento muito distante.A amiga  de coração vazio, consegue pisar no chão, e flutuar apenas na poesia.E num amor platônico, por um sapo barrigudo, que não sabe que possue esse amor.
A Quáquázeira flutua na poesia e na terra, por um amor que lhe faz escrever cartazes na cartolina e enviar por sedex.
E a Quáquázeira pergunta a amiga beijoqueira de um único sapo barrigudinho :
 - Beijoca o que é o ciúmes ? 
Perguntei ao Mister Google , 
Ele disse assim : Cientistas americanos dizem ter desvendado as táticas de conquistas de uma espécie de polvos na Indonésia e afirmam que, quando se trata de sexo, os moluscos gostam de paquerar e estariam dispostos a matar por ciúmes.
Beijoca responde: 
- Que interessa saber sobre polvos !
E o amor não permite machucar, permite amar.
Ciúmes é o sentimento mais idiota, mais incontrolável, que nós faz ver quem amamos de verdade.
É um grito que reverbera a alma, e pode falar verdades, que só o coração sabe, como aquele amigo que você acha que tem amor de amizade, e o ciúmes vai dizer e te dar certeza, que ele e o amor da sua vida.
Nos tira os óculos da realidade, nós coloca os óculos da imbecilidade.
Liga o alerta,  dizendo que: o amor não é jogo ganho, você pode perder, você vai perder, se ficar parado.A inércia pode te deixar ir teu amor, tens que brigar por ele, para que não escorra por entre os dedos.
Mas isso tudo ocorre numa fração de segundos, e pode ter certeza passará.
E só uma questão de manter um certo controle, para não arrumar uma briga por um leão vaidoso, que não vai se mover para escolher.Mas vai se envaidecer da situação.
E ai você estará com óculos de imbecil, saindo da melhor boate do rio.
E quando depositamos toda a nossa fé, em nós mesmo, o ciúme se torna tão pequeno, que passa rapidinho por nós.
E a Quáquázeira  refletiu : - Então, passou !!!. Eu não sou polvo.

14 de mai de 2011

Bom começo

0 comentários
Mudar talvez.
Trocar de roupa...
Outro cabelo, mais cor na boca.
Talvez. Uma mudança por vez!
Pé-direito.
Vida nova.
Bom começo.
Mas e a mudança?
Nos olhos, a lembrança que se encontra comigo dentro de um espelho antigo.
Mudar sim!
Palavras que saem de mim,
se encaixam em perfeita harmonia
No tapete aos meus pés, feito magia, é feita a poesia.

8 de mai de 2011

Não existe paciência

0 comentários

Andei lendo uns textos desse autor: Fabrício Carpinejar, que é escritor, jornalista, e achei muito bom, me identifiquei muito, resolvi compartilhar aqui no blog.


"Pode confiar na mulher que nunca joga fora o xampu quando termina. Porque nunca acha que termina.


São vários potes no box do banheiro. Uma milícia de cheiros. A maior parte com um resto luminoso. Alguns virados para facilitar a saída desesperada da fragrância.


* * *


Um homem, diante daquela lágrima de cisne, não teria piedade e colocaria no lixo.


Não sem razão. É uma sobra simbólica que apenas se mexeria colocando água. Uma massa imóvel, que mal treme. O conteúdo não presta nem para dois enxágues. Para chorar um pouco no pulso, depende de tapas na bunda do pote. Todo xampu velho é um bebê nascendo.


* * *


Mas ela não descarta. Pensa que aquilo que não perfuma seus cabelos é ainda capaz de perfumar suas mãos.


Permanece com a esperança de que um dia terá uma emergência e ele será útil. Para seus olhos, nada está inteiramente morto, nada está inteiramente esgotado.


Contribuem para sua crença as brincadeiras de faz de conta na infância, a sopa de folhas e o refrigerante de terra. Não depende de muito para seguir vivendo, pede um mínimo de realidade; acostumada a sempre completar por sua conta.


* * *


Não existe paciência, somente fé. Mais da metade de um marido bom é imaginação feminina.


* * *


A mulher que não joga o xampu fora não jogará nenhum homem fora. A menos que ele esteja seco por dentro, acabado, sem nenhuma emoção para oferecer, consumido pelo silêncio da esponja. Ela eliminará o sujeito de sua vida após várias tentativas, até se convencer de que ele não rende nem mais espuma. Nem mais passado.


* * *


O que me leva a concluir que quem pensa demais não faz, não se arrisca, não se entrega. O pré-requisito é criado para impedir que mudanças aconteçam.


É necessário ser imaturo para amar. É necessário ser imaturo para engravidar. É necessário ser imaturo para juntar as tralhas e pertences, construir uma casa em comum, e seguir ameaçado pelo humor do próximo.


Merece o amor quem trabalha por ele, quem sofre por ele, quem não quis ser mais inteligente do que sensível, quem é absolutamente idiota para sacudir um pote de xampu já findo."


Fabrício Carpinejar

Publicado no jornal Zero Hora
Coluna semanal, p. 2, 3/05/2011
Porto Alegre (RS), Edição N° 16689



3 de mai de 2011

Assinado eu

1 comentários
Já faz uns dias que eu queria escrever.De uma forma mais pessoal a você.Mas quis deixar a dor ir um pouco embora.Os sentimentos confusos, as suas mentiras.Plantei seu amor no jardim, como um sonhos que foi bom.Dono das minhas lágrimas mais ocultas de mulher.Eu confesso da primeira vez quem sugeriu foi eu.Da segunda vez quem figiu não estar ali também foi eu.
Fui contar para aquele amigo que eu gostava de você.Ele  hesitou, mas no fim me aconselhou, perguntar qual era seus planos, e eu que sempre tive vários planos.Dei quase três passos, parei, não poderia andar para trás.Já tinha chego até o limite, por que eu iria desistir.
Ai ai será que foi assim, que foi o tempo que tirou você de mim.Amor eu nem sei por que eu te chamo assim, concerteza você nem lembra de mim.Já entreguei na mão de deus, quero apenas nossa felicidade, mesmo que seja assim, você de um lado e eu de outro.
Meu anjo mentor, disse que cada um tem um tempo de amar, crescer, desenvolver, e que eu fiz tudo o que meu coração pediu, para fazer.Pediu para aceitar, e eu aceitei.
Te perdoei, uma vez, te perdoei a segunda vez, e ultima vez.Já te inseri nas minhas paisagens.Se pensar já queríamos isso desde o inicio.Passado é  passado, minhas dores imprimo nos quadros.Parece sempre que te devo uma explicação.Confesso, eu menti para você, não soube nada por janelas azuis.Tudo foi nossa mega conexão sem fio.Se eu te conta-se isso, talvez poderia não acreditar.Mas em qualquer história, e nossa obrigação, saber seguir em frente para qualquer direção.Fico esperando o dia que você me aceite como amiga, isso ainda vou te convencer.

2 de mai de 2011

Remexa

0 comentários
"Remexa na memória, na infância, nos sonhos, nos fracassos, nas mágoas, nos delírios mais alucinados, nas esperanças mais descabidas, na fantasia mais desgalopada, nas vontades mais homicidas, no mais aparentemente
inconfessável, nas culpas mais terríveis, nos lirismos mais idiotas, na confusão
mais generalizada, no fundo do poço sem fundo do inconsciente: é lá que está o seu texto. Sobretudo, não se angustie procurando-o: ele vem até você, quando você e ele estiverem prontos." Caio F. Fernandes
ps: para prima que não sabe escrever.

Sinceridades

2 comentários
Garotas se apaixonam pelo que ouvem, garotos se apaixonam pelo que veem.
É por isso que as meninas usam maquiagem e meninos mentem.
Depois de eu ter ganho essa semana meu phd em desilusão amorosa, até que eu me divirto mais.
 

Capte-me uma mensagem a toa Copyright © 2013 Design by Caminho da Luz