1 de abr de 2011

Insanidade ou Insana Idade



As vezes, me acho estranha, mas doutora mary diz que é normal.
Por ouvir a mesma musica trinta mil vezes no repeat.
Por ter hábitos repetitivos, como tomar café quente com leite frio e açúcar, todo dia na mesma caneca amarela.
Por gostar de ouvir musica clássica no café da manhã.
Por acordar as 5 pontual, mesmo quando tenho aula as 11:00.
Por ficar meia hora  pensando antes de levantar da cama.
Ir a missa domingo pontual as 7:00, se todos vão ao sábado, eu me irrito e não vou.
Por não gostar de novenas no meio da semana.
Por gostar de ler tudo sobre o mesmo assunto, auto-ajuda, arte, arquitetura e urbanismo, ao ponto de chegar em alguns lugares e não ter assunto, no meio das pessoas da minha idade.
Por gostar de garoto de 40, mesmo quando ele mente que tem 30 e poucos.
Por eu gostar do sorriso, do gato Cheshire, que só eu consigo ver e sentir.
Por eu me achar uma mulher de 30 aos 26 anos.
Por  ter amigos, que meu pai fala, que se juntar todos dá mais de 200 anos.
Por gostar de ter aulas de pintura com a meia  idade, e todas quererem me casar com seus filhos solteirões.
Por  gostar de ter tudo no lugar aonde eu deixei pela ultima vez.
Por escrever em diário.
Por querer desvendar cidades desconhecidas á pé.
Por sempre querer entrar em uma igreja e fazer um pedido e um agradecimento, quando estou de viagem.
Por anotar tudo na agenda, para não esquecer os bons momentos e datas importantes.
Por eu odiar meu celular, só amar quando estou apaixonada.
Por  sempre levar um porta retrato nas minhas viagens, para lembrar das pessoas que eu amo ao ir dormi.
Por gostar de brincar com as crianças na rua.
Por não entender as brincadeiras idiotas, dos meus colegas de faculdade.
Por não entender o processo criativo da minha professora de projeto.
Por eu querer aprender tudo sozinha.
Por eu ficar off e passar do ponto de ônibus as vezes.
Por  não gostar de shoppings center.
Por não gostar de tv.
Por eu ser sincera demais, e ter sempre uma resposta literal.
Por querer sair de óculos para me esconder atrás das lentes, e me sentir mais inteligente.
Por eu querer usar disfarces,  para ninguém gostar de mim por interesses.
Por querer ser feia, para não atrair idiotas de ferrari.
Por não entender o que querem os seres humanos, quando dizem uma coisa e querem outra.
Doutora Mary me deu alta e disse que sou uma artista excêntrica...Eu disse o que ? Autista excêntrica !!!
Ela riu, e disse que eu que trago felicidade ao consultório, então tá...
Enquanto todos me acharem normal está tudo bem...

2 comentários:

  1. Ahh florr, sabe as pessoas acham mais fácil desejar do que alcançar e isso é um fato, infelizmente. Sonhar, sonhar e não ter coragem de correr atrás. É tão bom quando chegamos a uma fase da vida e sabemos tudo que queremos, o que gostamos, o que buscamos. Você é uma pessoa de sorte. Que continuemos assim, sinceras e vivendo tudo que temos de viver, que com certeza chegaremos a um lugar belo, cheiroso e florido e os outros covardes de vida, ficaram pela metade do caminho se contentando com gravuras. =)

    ResponderExcluir
  2. Olha, se Dra. Mary te deu alta, então posso me considerar curado! Pois a maioria das coisas que tu mencionou no texto eu faço ou já fiz.

    Fique tranquila, pois ser normal é uma questão de ponto de vista. Ainda mais pra você que estuda arquitetura e urbanização! ;)

    Beijos

    ResponderExcluir

 

Capte-me uma mensagem a toa Copyright © 2013 Design by Caminho da Luz